Barra do Garças - Mato Grosso - Brasil
Segunda-feira, 21 de maio de 2018
Tamanho da fonte: A- A+ REPORTAGEM
16/12/2016 16:59:14 - 489 Exibições

Secretário é preso com maquinário atolado em propriedade de vereador no Araguaia

Polícia Civil recebeu denúncia de uso de máquinas da prefeitura em MT. Retroescavadeira da prefeitura estava atolada em uma represa do local.

Por G1 MT

O secretário de obras do município de Santa Terezinha, a 1.329 km de Cuiabá, Olímpio de Freitas Neto, de 49 anos, foi preso em flagrante, pelo crime de peculato. A prisão do secretário ocorreu na quarta-feira (14) e foi divulgada na quinta-feira (15). A Polícia Civil flagrou um maquinário da prefeitura sendo usado na propriedade rural do vereador Roberto Reis, de 45 anos. O maquinário estava atolado em uma represa.

O G1 tentou e não conseguiu localizar os advogados dos suspeitos. A reportagem fez contato com a Prefeitura de Santa Terezinha e com a Câmara de vereadores, porém, as ligações não foram atendidas.
Caminhão utilizado para trasportar o maquinário estava estacionado dentro da fazenda (Foto: Assessoria/Polícia Civil de MT)

A Polícia Civil recebeu uma denúncia de que um maquinário da Prefeitura Municipal estava em serviço na propriedade rural do vereador. No local os policiais encontraram uma máquina retroescavadeira, atolada na represa, além do caminhão utilizado para trasportar o maquinário que estava estacionado dentro da fazenda.
Nenhuma pessoa estava no local quando os policiais chegaram na propriedade. Porém, enquanto faziam o levantamento do maquinário, um veículo da prefeitura foi até a fazenda. Se apresentaram o secretário de obras e mais quatro funcionários.

Todos foram conduzidos para prestar esclarecimentos na delegacia de Santa Terezinha. Após ser interrogado o secretário foi autuado em flagrante pelo crime de peculato. Ele foi encaminhado para a delegacia de Vila Rica, a 1.276 km de Cuiabá. Os demais servidores foram ouvidos e liberados.

Segundo o delegado, André Rigonato, no município existe a lei municipal nº 611/2014, a qual estabelece critérios legais para a utilização do maquinário, inclusive com a realização de roteiros de execução dos serviços e recolhimento de um valor recolhido para manutenção dos maquinários, conforme regulamentação.

“Ele não apresentou nenhum documento que demonstrasse a legalidade do ato, apenas um recibo de compra de óleo, ou seja, atuação desenvolvida fora dos parâmetros legais. Isso fere os princípios da administração pública e gera dano ao erário. Além de estar atolado, o maquinário estava com danos na parte mecânica”, afirmou o delegado.

O vereador não foi localizado, no entanto, deve ser responsabilizado por peculato.

Galeria de Imagens